quarta-feira, 16 de junho de 2010

Sob os olhos de Cristina

Posted in by Pedro Freire | Edit

Desde o ônibus eu já tinha percebido que boa coisa não poderia sair daquela festa, sabe? O comentário infeliz daquele Viking... Ufff... Tão desinteressante... É por essas e outras que eu não me vejo curtindo uma cervejinha com graduandos. Eles vivem confundindo liberdade com libertinagem. Nem uma docente já na flor da idade como eu pode se dar ao luxo de ir a uma festa sem ter sua existência agredida pela falta de tato desses alunos...


É um absurdo. Enfim, como sempre, eu e meu cigarro tentamos abstrair...


Logo na chegada da festa me acontece uma coisa completamente desagradável: uma meninota cai ali, na minha frente. Isso me dá um chilique... É gente caindo pra cá, e outros caindo pra lá... Ai ai...


Abstrair mais uma vez (ou ao menos tentar).


Já no salão, fui direto para balcão fumar um cigarro e tomar uma cervejinha. Um bicho daqueles voadores, cumpridinhos, que vivem dando rasantes na piscina (qual é o nome mesmo... ah sim! Libélula!) veio e pousou levemente no meu copo. Fui espantar o pobrezinho e... Opa! Matei o bicho! Eu juro que não foi a minha intenção! Gente... Mas uma Libélula? Que que uma libélula ta fazendo na festa da Unesp?


De repente, percebi que o cadáver não era tão cadáver assim... Passou voando perto da cabeça de uma pessoa. Quando fui abrir a minha boca pra avisar, desapareceu. Quase me perguntei se não era a alma do bicho, mas prefiro não pensar nessas coisas que dão medo...


A cervejinha ficava cada vez mais gelada enquanto a música estava começando a esquentar de verdade. Realmente, apesar do péssimo público, a festa quase estava aturável.


Foi quando o DJ resolveu tocar Bee Gees...


Gente... Por favor! Nada contra os meninos... Mas quem em sã consciência resolve tocar Bee Gees numa festa como aquela? É quase uma afronta à inteligência das pessoas! Onde mais se toca BEE GEES além de festas estilo sessenta/setenta?! Seria tão bom se as pessoas se atualizassem de vez em quando!


Em bom português, pra mim o que já estava mais ou menos ficou uma bosta. Peguei a minha bolsa, liguei pro argentino vir me buscar, e me retirei do recinto, não sem antes virar a minha cervejinha, é claro, que estava valendo a pena.


Gente... É por isso que as coisas não dão certo! A boa vontade de alguns nem sempre se sobrepõe à incompetência de outros! Vou tentar limitar melhor os lugares que frequento...

sexta-feira, 5 de junho de 2009

Caçando com... um gato!

Posted in by Louise Mira | Edit
- Tá tudo bem, moça?

Mary não conhecia aquela voz. Aliás, não conhecia muita gente por ali, mesmo. Caiu de pára-quedas naquela festa. Ela nem gostava de festa! Ela nem queria estar ali, no meio daquele bando de gente bêbada, e a festa nem tinha começado direito!

Na verdade, ela esperava por outra voz, por outra mão. Mas, para quem já estava no chão, qualquer coisa servia.

- Tá, sim. Eu acho.

Qualquer coisa. Até uma...

- Paçoca! Fala, véio! Que cabelo é esse?

- E aí, Thor? Não te vejo desde o ano passado! Como é que tá, cara?

- Ah, daquele jeito! A The Morfemas vai tocar hoje?

- Não, hoje não. Só espero que não role pagode, que, daí, já é demais. Ah, nossa! Desculpa, florzinha, fiquei falando com esse viking aqui, e esqueci que você tava no chão. Malz, aê!

Paçoca resolveu agilizar, pegando-a no colo e pondo-a de pé, como se Mary fosse uma pluma.

Ela sorriu, corada. Definitivamente, aquela não era a melhor maneira de se começar o ano na faculdade.

Ou será que era?

- Paçoca, Mary, Mary, Paçoca. Mas onde é que aqueles dois se meteram?

Thor olhou em frente. Fer e Eva pareciam animadinhos demais para o gosto dele. Nunca viu os dois conversarem tanto, e tão de perto! Aquilo estava mesmo muito, muito estranho.

Não... acho que não.

O engraçado é que, naquele momento, Mary parecia pensar o mesmo que Thor. Um suspiro desanimado. Baixou os olhos para os sapatos boneca de verniz vermelho. Combinavam tão bem com sua pele e com o vestidinho tomara-que-caia de veludo preto. Na cabeça, um singelo lacinho vermelho. Mais do que nunca, parecia uma boneca.

Parece que Paçoca achou a mesma coisa. Thor afastou-se um pouco, procurando vigiar os outros dois. Sem rodeios, Paçoca encarou Mary com um sorriso. Sabe que ele até que era um moço bonito? Voltara das férias com um rastafári charmosíssimo. Era loiro e tinha os olhos cinza. Era meio sem-noção e desajeitado às vezes - um físico maluco, doido varrido e meio despreocupado com as três DPs e o ano extra que ganhou na faculdade. Mas também, com uma belezinha daquelas ali, não, ele não podia se formar agora.

Mary corou novamente. Era tão tímida! Além disso, não era exatamente ele que ela...

- Er... tá a fim de dançar?

Eram os Bee Gees. Mary não resiste a uma batida setentinha! E, de uma vez por todas, decidiu se divertir aquela noite. Com ou sem aquele que ocupava seus pensamentos. Afinal, quem não tem cão, caça com gato. E que gato!

Sem dizer palavra, seguiu Paçoca, que a puxava pela mão. Melhor: assim, não levaria outro tombo.
quarta-feira, 3 de junho de 2009

E quase na festa...

Posted in by Pedro Freire | Edit

Hora: 23:23. É na fatigante espera ao poderoso meio de transporte fretado para levar os pobres estudantes até a aglomeração que visa o divertimento e a integração dos ibilceanos que começamos nossa história (discurso emocionado e sem conteúdo em homenagem ao nosso querido presidente do DAF ^^).

- Dá pra alguém falar cadê a droga do ônibus?
- Dá pra esperar que já tá vindo ?
- Dá pra me deixar reclamar em paz?
- Dá pra parar de reclamar por coisas que ninguém aqui pode resolver?
- Dá pra saber que eu quero reclamar e tenho o direito?

- Dá pra deixar de ser chato?

- Dá pra me dar um beijo? *-*

PLAF! O tapa doeu no rosto de nosso pequeno viking.

- AAAAAAAAAAAAAAAiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii!!! Nem doeu mesmo...

- hahahahaha. Só vocês mesmo.

- É sempre assim, Fer?

- Acredite: você não viu nada.

Chega o Busão e todos entram. Na primeira festa do ano, tudo o que Mari deseja é poder conhecer melhor o pessoal tão estranhamente diferente de tudo o que ela já conheceu na sua vida escolar. “Talvez ele me dê bola...”. “É... talvez ele me dê bola”.

- Ai adoro festas... principalmente quando são com os meus amigos legais/nerds/hippies. Preparada pra noite, Mari?

- Acho que sim...

- O quê você pretende dizer com isso, Thor?

- iiii. Sai do meu pé ô!

- Parou. Estamos chegando já.
- É hoje... é hoje! Que o poder de Eros esteja em meus lindos lábios e mãos. MIJOLNIR! MOSTRE A ELAS O VERDADEIRO PODER DO DEUS DO TROVÃO!

- ¬¬ ¬¬ ¬¬. ¬¬ (o restante do ônibus). ¬¬ (a Carneiro*, sentadinha no banco do cobrador e observando).

Após a descida do ônibus, Thor, Fer e Eva rumavam para a festa quando percebera que a pequena Mari havia ficado para trás. Após uma olhada rápida, perceberam que ela...

“Ai... tropecei... meu joelho” Alguém estende a mão para ajudá-la a se levantar.

Notas

*professora de Sociolinguística

domingo, 17 de maio de 2009

O começo do resto da sua vida

Posted in by Caio Bonatti | Edit
- Achei que iam chegar só em 2012.
- Haha... acho que até 2012 você cresce até a idade mental de uns cinco anos. =P
- Ô, Evitcha, fala a verdade, você tava morrendo de saudades desse viking maravilhoso.
- Tá vendo, Mari. É isso que eu suporto todo santo dia. Não é pra matar? ¬¬
- Ai, Eva, coitado do Thor, ele é tão simpático com você... ^^
- Mariiiiii!!!!!! - Thor abraça Mari como uma criança - Brigado por me defender... Você é praticamente uma Eva melhorada, sem hostilidade, sem rugas...
- Lembra uma vez, quando teve sangue na parada? Tá afim de reprisar?
- Calma, Eva. O ano mal começou e você já tá ameaçando o Thor de novo? XD
- É... preciso relaxar...
- Bom mesmo, senão as rugas ficam piores...
- ¬¬
- Calma, mana. É brincadeira, você tá linda. =D
- Brigada, Mari. ^^
- Mariiiiiiii....
- Oi, Thor. ^^
- Te adorei. =D
- É bom esse sentimento estar num nível puramente de amizade, senão eu te mostro como dissecar alguém...
- Essas biolóides... :P
- Mari, nem pensa em gostar de qualquer um desses dois. O Fer vive longe daqui e o Thor... é o Thor. XD
- Ei, eu vivo longe? Como assim?! XD
- Ha! Isso é pré-requisito pra ser hippie. ;D
- Chega, vamos indo senão a gente perde a recepção dos bixos.
- Tá feliz por ter entrado, Mari? =D
- ...
- Mari?
- Ah! Tô... tô sim.... ^^'
- Então vamos. ;)

Manhã na UNESP. Primeiro dia de aula. Aula, aula, não. Recepção dos bixos. Os veteranos da Tradução levam Mari para conhecer o campus.
- Você é nossa bixete? Hum, bonitinha. ;D
- Aff... deixa as bixetes em paz... ¬¬
- Queria uma Coca... =/
- Vocês são engraçados.... XD

- Quem é aquele veterano da Trad que tá cantando a Mari? ¬¬
- Relaxa, Evitcha, uma hora ou outra ela vai ser cantada. XD
- E ela tá bem mais bonita esse ano. Lembro de quando eu conheci ela, com o cabelo curtinho ainda. ^^
- A Mari tinha o cabelo curto? o.O
- Putz, Thor... Depois o hippie desligado é o Fer... XD
- E a Chopada? Vai proibir a Mari de ir mesmo? :P
- Ná... não vou proibir nada. Ela tem que aproveitar a facul, né? ^^
- Porque você faz questão de ser tão grossa por fora quando por dentro você é uma manteiga?
- Euzinha? Grossa? =(
- Eu entendo a Eva. ^^
- Que bom, Fer. Por isso a gente se dá tão bem. =D
- Porque são dois seres com passado obscuro. :P
- Obscura é sua cabeça. XD
- Minha mente é dark! \o
- A gente tenta xingar, mas nem isso consegue... hauahauuhaua
- Bom, eu tenho que ir com o pessoal, tô louco pra conhecer meus bixos. =D
- Eu também. ^^
- Aff... fazer o quê. Deixa eu ir logo mostrar quem manda aqui.
- Não seja grosso com os bixos, hein?
- Tá bom, Evitcha, tá bom... Só porque você pediu. ;D
- Bão memo. XD

A noite chega. Em seu apartamento rosa, as duas meninas se arrumam e se perfumam. Thor veste sua melhor roupa e arruma os milhões de cachos. Fer apenas sai de casa, naturalmente como sempre.
A festa é numa chácara. E ela vai começar.


____________________________________________________



Comentários:
Primeiramente, desculpem-me pela demora. Problemas pessoais.
Sigo a história e deixo ganchos para vocês. ;D
Há inclusive easter eggs. ^^
E pra não perder o costume, lá vai minha dica musical:
Jarabe de Palo - Romeo y Julieta
Abraços a todos.
quinta-feira, 9 de abril de 2009

A ninfa

Posted in by Louise Mira | Edit
Eva estava atrasada, como sempre. Terceiro ano, já! Não dava nem para acreditar. Ontem mesmo, ela era uma bixete perdida, agarrada a um viking esquisito e a um metaleiro bonitão. Hoje, é apenas mais uma veterana, a pele trigueira, queimada de sol, de praia e de amores de verão. Pena que seus amores nunca sobem a serra e são lavados pelo mar.

Eva agora parecia uma surfista, o loiro degradè e natural dava a impressão de mechas californianas. O par de Havaianas e o vestido jeans davam a ela um toque especialmente praiano.

Retiro o que disse, Eva não é apenas mais uma veterana. Ela é, simplesmente, a garota mais linda do câmpus, toda simplicidade e sorrisos solares.

- Vambora, Mary!

De dentro do banheiro da minúscula quitinete de paredes cor-de-rosa, saía a mais nova caloura e companheira de apartamento de Eva: sua irmã, Anne-Marie, que os professores xingariam para escrever o nome, dezessete anos recém-completos, timidez e ninfagem e covinhas nos sorrisos.

Anne-Marie havia crescido um pouco no ano passado. Ainda assim, era um pouco menor que Eva, três centímetros talvez, coisas de genes e natureza. Tinha os cabelos um pouco mais compridos também - não longos e rapunzelóides como os da irmã, mas com as mesmas ondas e a mesma cor. Um vestidinho florido até o joelho, uma presilha de flor, um par de rasteirinhas e muita vergonha dentro da bolsa. Ela seria, agora, a mais nova tradutora da família.

Mas o que lhe dava borboletas no estômago, calafrios e palpitações era o fato de vê-lo, agora, todos os dias. Será que ele cortou o cabelo? Será que ele vai à aula hoje? Será que ele vai falar comigo? Devo falar "oi, tudo bem?", só "oi", ou falar "oi, tudo bem?" e dar um beijinho? Será que...

Será que ele vai olhar pra mim?

- Ô, "pícara sonhadora"! Velho, vamo pra faculdade! Depois, você não acha a sua sala, e eu já falei que não vou ser babá de irmã mais nova, muito menos de bixete!
- Tá, "Erva", não enche!
- Ó, que eu conto pra mãe, hein?

Mary suspirou, profunda e desoladamente. Já viu que ganhara uma babá.

- E nada de festa hoje, hein? Aquilo lá não é lugar pra você.
- Ah, tá, e pra você é, né?
- Hum... é... caham, você sabe que eu sou hostil e que não gosto de festa. Nem eu, nem o Thor, nem o Fer.

Por que a pequenina sempre estremecia quando ouvia o nome de um certo... alguém?

- Viu, vamo descer? A gente vai mais cedo, porque eu combinei de encontrar os meninos lá na frente. Tô morrendo de saudade! E vê se se comporta, tá?
- Tá legal, "Erva".

Venenosa.
quarta-feira, 1 de abril de 2009

Novo layout

Posted in by Caio Bonatti | Edit

03:25 da madruga e eu aqui, quebrando a cabeça HTMLísticamente... -.-'
Pra quê?
Pra trazer o novo layout do R&G pra vocês, ora!
Isso aí, estamos mais modernosos agora. ;D

Comentem, digam se gostaram.


E o melhor: The Second Season is coming.


Comentários aleatórios do Caio:

Tenho aula às 08:00 amanhã (NOT, hoje!) e estou aqui pensando nos nossos amados leitores. ^^

Acabou de começar Corujão. Filme com o Bruce Campbell!!! XD (nem tentem entender essa...)
Ida Maria, escutem ela. ♥
Meu All-Star é irlandês.

bjsmetwitta
segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

Wallpapers - 2ª Temporada

Posted in by Caio Bonatti | Edit
Oi. Tudo bem com vocês?
Fiz esses wallpapers há pouco tempo e vou aproveitar a visita na casa do Pedro pra postá-los.
As fotos são só para efeito de design, não vou associar a imagem dos personagens com ninguém que realmente exista, ok?
Ah sim, um Feliz Natal a todos e ótimo Ano Novo.
Aguardem 2009....

Free Image Hosting at www.ImageShack.us



Free Image Hosting at www.ImageShack.us



Free Image Hosting at www.ImageShack.us



Free Image Hosting at www.ImageShack.us



Free Image Hosting at www.ImageShack.us